aos 26 anos

Cecília Dassi, ex-atriz mirim de 'Por amor', abandona a TV para virar psicóloga

Redação RedeTV!

Foto: Reprodução/Instagram

O rostinho angelical de Cecília Dassi continua inconfundível para quem acompanhou sua carreira na TV durante a infância. Mas agora a jovem de 26 anos não quer mais voltar às telinhas graças a sua nova profissão, a de psicóloga. Formada no ensino superior há três anos, a gaúcha contou, em entrevista ao site 'Ego', que a fama a incomodava. 

Cecília iniciou sua carreira na TV aos seis anos de idade em séries, mas se tornou conhecida nacionalmente por viver Sandrinha em 'Por Amor', de Manoel Carlos, em 1997. Depois, ela voltou a atuar em nove novelas, sendo seu último trabalho em 2010, na minissérie 'A Vida Alheia'. No cinema, ela ainda atuou 'Gonzaga - De Pai pra Filho', em 2012. 

Apesar de tantos anos presentes nas novelas, Cecília prefere agora se afastar da mídia e se dedicar à psicologia. Ela atende em um consultório no Rio de Janeiro. 

"As pessoas sempre perguntam se vou voltar a atuar, têm uma expectativa. Não entendem quando eu digo que não. Para elas é estranho saber que saí do meio por vontade própria, que foi uma decisão minha e que estou muito feliz (…) Hoje em dia todo mundo quer ser famoso para ter um nome, por uma busca por identidade. Mas isso tudo é uma ilusão. Eu nunca quis isso! Era a parte que eu não gostava do trabalho. Me incomodava chegar em um lugar e todo mundo vir falar comigo, parar para olhar. Me apaixonei e me encontrei na Psicologia", explicou a ex-atriz mirim à publicação. 

Apesar de estar decidida em ficar longe dos folhetins, Cecília ainda considera voltar a atuar no teatro ou cinema, mas apenas se puder conciliar as duas carreiras. "A TV é muito hostil, porque o esquema exige uma correria, não existe tempo para estudar e aprofundar o personagem. Isso não me motiva mais, não me desperta paixão", disse. 

Sua experiência na área artística também é usada no trabalho como psicóloga. Cecília trabalha para "potencializar o ator clinicamente", usando textos para conhecer melhor o paciente. E, avaliando sua trajecória, a morena declara que o trabalho artístico de crianças deve ser muito bem acompanhado para que seja positivo e cita que ex-colegas de profissão que sofrem de ansiedade. 

"Não quero demonizar o trabalho do ator na infância, mas nem tudo são flores. Não é só glamour. As coisas têm que ser acompanhadas. A parte boa todo mundo vê, mas tem as partes ruins. Tem criança que ensaia oito horas por dia, além de fazer aulas de dança e canto, e ainda é cobrada por notas altas no colégio. Atendo ex-atores mirins que não conseguiram manter o sucesso e vejo o impacto que isso teve na vida deles... Ansiedade intensa é um sintoma muito frequente. Um dos  primeiros sintomas que as crianças apresentam é o fato de ficarem adultizadas. Isso me incomoda porque elas se transformam em um robôzinho que faz tudo perfeitamente bem 100% do tempo e não é normal ser assim", afirmou. 

A intenção de Cecília é abrir seu próprio consultório de psicologia, mas continuar focando sua rotina em qualidade de vida. "Quero qualidade, estar inteira sempre. Chego em casa muitas vezes e fico pensando em como resolver os problemas que surgem nas terapias. Gosto que cada um se sinta único quando estiver conversando comigo", contou Cecília. 

Recomendado para você


Comentários