EDITORIAS
 
Aplicativos para celular I CidadesI Ciência e SaúdeI Dá para acreditar?I EconomiaI EducaçãoI Meio ambienteI MundoI PolíticaI Tecnologia
-
     
09/08/2013 06h51 - Atualizado em 09/08/2013 08h12    
 

Morte de PMs em SP: casa de família assassinada amanhece pichada

 
Redação/RedeTV!
 
 
Foto seria de três anos atrás, segundo delegado que investiga o caso (Reprodução)

O muro e o portão da casa onde morava a família morta na madrugada de segunda-feira (5), na Brasilândia, zona norte da capital, amanheceram pichados nesta sexta-feira (9). 

A frase legível diz 'Que a verdade seja dita' e foi mostrada pelo programa 'Bom Dia São Paulo'.

Na quinta-feira (8), um policial militar ouvido no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) disse que o sargento da Rota Luís Marcelo Pesseghini, de 40 anos, havia ensinado o filho Marcelo Pesseghini, de 13 anos, a atirar. A informação foi confirmada pelo delegado Itagiba Franco, que conduz a investigação.

Veja mais:

>>> RedeTV! News divulga vídeo exclusivo de garoto suspeito de matar os pais

>>> Morte da família Pesseguini é destaque no exterior

>>> Versão da polícia sobre morte da família Pesseguini é questionada

>>> Morte de PMs em SP: declarações de coronel sobre caso surpreendeu delegado

>>> Morte de PMs em SP: 'Incompreensível', diz escola sobre acusação de menino

>>> Coronel volta atrás e diz que policial não denunciou colegas

 

O garoto é suspeito de assassinar o pai, a mãe, a avó e a tia-avó e depois se matar na Brasilândia. Todas as vítimas morreram com tiros na cabeça disparados pela pistola .40 que pertencia a Andréia, indicou a perícia realizada nos corpos.

O delegado também citou que Marcelo tinha 1,60 metro e não era um garoto franzino (as fotos divulgadas dele são de 2010), apontando que ele tinha condição de manipular a arma.

PUBLICIDADE
Compartilhe:
VÍDEOS
»
 
PUBLICIDADE ANUNCIE
 
ENQUETE
Pesquisa do IBGE mostra que quase metade dos usuários de álcool começaram a beber com menos de 18 anos. Você se inclui nesse número?