De segunda a sexta, às 15h

Blog

Cremerj apura morte de farmacêutica em hospital

O Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (Cremerj) informou que vai abrir uma sindicância para apurar a morte da farmacêutica Ana Carolina Domingos Cassino, de 23 anos, após esperar 21 horas para uma cirurgia de apendicite no hospital da Unimed, na Barra da Tijuca, na zona oeste do Rio. Diagnosticada na sexta-feira, 15, a jovem só teve a cirurgia agendada para sábado, 17, mesmo com fortes dores. A diretoria do hospital informou que também está apurando o caso.

Segundo familiares, Ana Carolina começou a sentir dores na barriga na manhã de sexta-feira. Por volta de 13h40, deu entrada na unidade de pronto-atendimento da Unimed, também na Barra, e, após exames, foi diagnosticada às 18h. Somente às 23h, a jovem foi transferida para o hospital, e a cirurgia foi marcada para 15h de sábado.

Às 13h, entretanto, a farmacêutica apresentou piora no quadro e precisou ser reanimada. A cirurgia terminou às 17h30 e Ana Carolina foi levada para o Centro de Terapia Intensiva (CTI). Às 5h de domingo, a jovem morreu.

No fim do ano, Ana Carolina se casaria com o noivo, Leandro Nascimento Farias, de 24 anos. De acordo com o atestado de óbito, ela teve um "choque séptico", um termo médico para infecção generalizada.

Em nota, a diretoria do hospital informou que "todos os procedimentos realizados desde o primeiro atendimento estão sendo avaliados pelas comissões de Óbitos e de Prontuário Médico e, tão logo as apurações sejam concluídas, serão submetidas à Comissão de Ética Médica do hospital, a quem cabe o parecer final sobre o caso, e comunicadas à família".

"O Hospital Unimed-Rio lamenta profundamente o ocorrido, se solidariza com a família e reafirma seu compromisso com o mais breve esclarecimento do caso", concluiu.

No Rio, delegado reage a assalto e mata dois ladrões

O delgado Rodrigo Barros, que atua como adjunto na 25ª DP do Rio de Janeiro, no Engenho Novo (zona norte), reagiu a uma tentativa de assalto enquanto trafegava pela rua Ana Néri, em Benfica, também na zona norte, na manhã desta quarta-feira (20). Ele atirou contra quatro assaltantes. Dois morreram e dois foram presos - um deles, ferido, foi encaminhado ao hospital.

Segundo a polícia, os quatro criminosos estavam em duas motos e aproveitaram o congestionamento na rua Ana Néri para assaltar motoristas. Eles abordaram a roubaram duas mulheres, em seus veículos, e em seguida se aproximaram da Ecosport branca onde estava o delegado.

Quando o grupo anunciou o assalto, Barros atirou, mesmo sem abrir o vidro do veículo. Walter Soares, de 19 anos, morreu no local. Ele tinha passagens por tráfico de drogas e porte ilegal de armas. Edson Felipe da Silva Soares, de 20 anos, e Marco Aurélio Pinto Fontarigo, de 19, foram baleados e encaminhados ao Hospital Souza Aguiar, no centro.

Soares morreu no hospital. Fontarigo passou por cirurgia durante a tarde e estava em estado "estável", segundo a unidade de saúde. Um adolescente de 12 anos que já tinha duas passagens pela polícia por roubo e uma por ameaça é o quarto membro do grupo. Ele não se feriu e foi detido. Uma pistola calibre 380 foi apreendida. Os objetos roubados antes foram recuperados e entregues às vítimas.

A polícia recomenda que ninguém reaja a assaltos.

Novos tiroteios assustam moradores na zona norte do Rio

Pela segunda noite consecutiva, moradores do complexo de favelas do Lins de Vasconcelos, na zona norte do Rio, foram surpreendidos por tiroteios entre policiais e bandidos da região, nesta quinta-feira, 21. De acordo com o Comando de Polícia Pacificadora (CPP), policiais do Grupamento de Polícia de Proximidade (GPP) da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Camarista Méier se depararam com homens vendendo drogas no Morro doa Gambá, às 20h45. Houve troca de tiros, mas os traficantes conseguiram fugir.

Durante as buscas, os PMs encontraram 17 papelotes de cocaína que os traficantes deixaram cair na fuga.

Em outro ponto da favela, no mesmo horário, policiais patrulhavam a localidade conhecida como Cachoeira Grande e encontraram outro grupo de bandidos. Houve nova troca de tiros e novamente o grupo conseguiu fugir.

Motoristas de ônibus que seguiam para o Lins de Vasconcelos e regiões próximas avisavam aos passageiros que não estavam circulando nas proximidades no Complexo do Lins.

As ocorrências foram registradas na 25ª Delegacia de Polícia (Engenho Novo). Não há registro de feridos. O policiamento segue reforçado na região com o apoio de outras UPPs.

Entre a noite de terça-feira, 19, e a madrugada de ontem, a autoestrada Grajaú-Jacarepaguá, que corta favelas do Complexo do Lins, ficou fechada por cinco horas por causa de intenso tiroteio.

Vítimas de abuso festejam captura de Abdelmassih

Na manhã desta terça-feira, 19, a estilista Vanuzia Leite Lopes, de 54 anos, recebeu uma ligação que esperava havia três anos. Do outro lado da linha, vinha a notícia de que Roger Abdelmassih havia sido preso. "Me disseram que eu poderia colocar o champanhe para gelar, porque ele finalmente havia sido pego", contou ela, ao lado da dona de casa Helena Leardini, de 45 anos, e da artista plástica Maria Silvia de Oliveira Franco, de 43, outras duas vítimas do ex-médico.
Desde que ele foi condenado, mas fugiu da Justiça, Vanuzia e outras vítimas criaram uma associação, além de um e-mail e páginas em redes sociais para receber denúncias sobre o paradeiro de Abdelmassih.

Foi graças a documentos de ligações e transações bancárias que a polícia pôde chegar ao foragido. "Essa investigação foi um trabalho de formiguinha. Mais do que felicidade pela prisão dele, tenho orgulho do que fizemos. Provamos que a mulher que sofre o abuso pode ser vítima, mas não é uma coitada e tem força para lutar", disse.

Em 1993, durante tratamento para engravidar, Vanuzia foi violentada por Abdelmassih. Ela foi uma das primeiras mulheres que registraram imediatamente o abuso na polícia. "Tenho o exame de corpo de delito comprovando o abuso. Só que na época toda a investigação sumiu. Era a minha palavra contra a dele."

Ela diz que, durante as investigações que fez com as integrantes do grupo, chegou a receber ameaças de morte. "Em ligações me pediam para parar as publicações no Facebook ou eu não ficaria viva", contou.

Com a prisão do ex-médico, Vanuzia e as outras vítimas disseram estar aliviadas. "Vou dormir muito mais leve hoje ao saber que ele finalmente vai ter o que merece", disse Maria Silvia. Ela afirmou que, além de ter sofrido abuso sexual, teve embriões desviados para venda.

Comemoração

A presidente da Associação das Vítimas de Roger Abdelmassih, a bacharel em Direito Teresa Cordioli, de 63 anos, confirmou que o clima foi de comemoração entre as integrantes do grupo.

"Não posso dizer que sinto felicidade porque isso (a prisão) não vai acabar com a minha dor nem com a das minhas colegas. Mas, pelo menos agora, a gente tem o sentimento de que a justiça foi feita", disse.

Teresa foi violentada por Abdelmassih aos 17 anos, quando ele era residente em um hospital de Campinas (SP). "Ele me ameaçou. Disse que, se eu falasse algo, iria atrás de mim porque tinha meu endereço no prontuário. Até hoje tenho medo dele." A vítima afirma que, mesmo com o alívio sentido com a captura do médico, ainda não se sente segura. "Eu sei do que ele é capaz e, para estar solto, tinha gente poderosa que o ajudava."

Ex-médico Roger Abdelmassih chega hoje a SP e ficará preso em Tremembé

O ex-médico Roger Abdelmassih, preso na terça-feira (19) em Assunção, no Paraguai, deve chegar nesta quarta-feira (20) a São Paulo e será conduzido à Penitenciária de Tremembé, no interior do Estado.

Um dos homens mais prourados do País, Abdelmassih foi condenado a 278 anos de prisão pelo estupro de 37 pacientes. Ele estava foragido desde janeiro de 2011 e vivia há três anos no Paraguai.

Abdelmassih, que abusava de suas vítimas durante a anestesia que realizava para as sessões de inseminação artificial, foi identificado pelas forças de segurança paraguaias durante uma operação de rotina da polícia municipal de Assunção e a Polícia Nacional para verificação de documentos.

O médico brasileiro foi detido no bairro de Villa Morra, uma das áreas mais caras da capital paraguaia. Abdelmassih residia em uma luxuosa casa com sua mulher de 37 anos. Quando os policiais verificavam os documentos do fugitivo da Justiça brasileira perceberam que era buscado pela Interpol. 

O governo de SP oferecia uma recompensa de R$ 10 mil para quem desse informações sobre o ex-médico. Abdelmassih estava na chamada “difusão vermelha” da Interpol - a relação dos criminosos mais procurados do mundo. 

Após confronto com manifestantes, entrada na USP é liberada

Após ação da Tropa de Choque contra manifestantes, a entrada principal da Universidade de São Paulo (USP) foi totalmente liberada, por volta das 8h de hoje (20). No início da manhã, às 4h30, funcionários que estão em greve há mais de 80 dias e estudantes da instituição fizeram um protesto que bloqueou as três entradas da cidade universitária.

Quando os policiais chegaram, atiraram bombas de gás e de efeito moral contra os manifestantes, que dispersaram. Funcionários da Companhia de Engenharia de Tráfego removeram barricadas e entulhos que impediam a circulação de veículos na Rua Alvarenga. Uma longa fila de carros se formou nas proximidades da USP.

Segundo o diretor do Sindicato dos Tralhadores da USP (Sintusp), Magno de Carvalho, o ato ocorreu em resposta ao corte no pagamento dos funcionários, que já tiveram um mês descontado. Ele diz que 500 pessoas, entre funcionários, estudantes e alguns professores, participaram do protesto. Magno estima que aproximadamente 80% dos servidores da USP em todo o estado estejam parados.

A categoria reivindica reajuste salarial, o fim da suspensão de 35% no corte na verba destinada ao ensino e à pesquisa e a contratação de professores e funcionários. Eles também são contrários à transferência dos Hospitais Universitários da instituição para a Secretaria Estadual de Saúde. "É um conjunto de coisas que vai resultar no sucateamento da universidade. A gente acha que o objetivo é sucatear para depois privatizar, o que aconteceu com o ensino fundamental e médio. Esta luta nossa é uma resistência contra este projeto", declarou Magno.

Por volta das 11h, os funcionários se reúnem para uma nova assembleia que definirá os rumos do movimento grevista. "A greve continua com toda a força. Eu acredito que essa truculência vai levar ao acirramento dos ânimos, principalmente agora que os estudantes estão entrando. Com certeza, não vamos recuar", disse o diretor do Sintusp.

Bombeiros encontram corpo de motorista de carreta que caiu na Billings

O Corpo de Bombeiros encontrou o corpo do motorista de uma carreta que caiu na Represa Billings no km 33 da Rodovia Anchieta, na região de São Bernardo do Campo, no ABC paulista. O acidente aconteceu na madrugada desta terça-feira (19). Segundo informações, o motorista ficou preso à cabine do veículo. 

De acordo com a empresa que administra a rodovia, duas crianças levemente feridas. Elas teriam caído da carreta pouco antes de o veículo cair na água. 
Um caminhão que trafegava atrás da carreta que sofreu o acidente freou antes de atingir as crianças na pista. O veículo ficou atravessado na pista, bloqueando a estrada no sentido do litoral.

O acidente ocorreu por volta das 2h20. O trecho foi bloqueado ao tráfego até as 4h30, quando uma pista foi reaberta. Às 5h20, a estrada foi totalmente reaberta.

1 2 3 4 5 6